HALLOWEEN Envio gratuito
Esta página usa Cookies. Ao continuares a navegar na página aceitas a sua utilização. Politica de Cookies.
OK

Noticias

As 3 principais diferenças entre Judô e Jiu-Jitsu

As 3 principais diferenças entre Judô e Jiu-Jitsu 15 Jan 2020

No mundo das artes marciais, existem muitas disciplinas diferentes baseadas em golpes, como Kung fu, Karate, Taekwondo, Muay Thai, etc ... e existem outras disciplinas em que não há acertos e é sobre isso que falamos disciplinas que geralmente chamamos de "agarre" ou em inglês “grappling”.

Neste artigo, vamos falar sobre dois deles que às vezes podem parecer muito semelhantes: judô e jiu-jitsu brasileiro ou, como costuma ser abreviado "Jiu-Jitsu".

Como dizemos, quando falamos de judô e jiu-jitsu brasileiro, pode haver confusão ou erros sobre essas duas artes marciais. Geralmente essas dúvidas ocorrem devido à sua semelhança, uma vez que o Jiu-Jitsu brasileiro vem do judô.

Um pouco de história: a origem das diferenças
O judô foi fundado por Jigoro Kano no Japão em 1882. Para criar o judô, Kano teve que coletar e modificar uma série de técnicas de Jiu Jitsu que havia aprendido em escolas como Tenjin Shinyo ryu e mais tarde Kito ryu.  O judô, como mencionamos acima, é uma arte marcial no estilo Grappling (agarre), o que significa que não há punhos ou chutes no seu repertório, exceto por alguns katas tradicionais em que são praticados. Portanto, na prática habitual do judô, e com exceção dos katas, todos os movimentos são baseados na aderência: projeções, imobilizações, estrangulamentos e deslocamentos.

No início do século XX, o Brasil abriu-se à imigração asiática e, principalmente, à chegada dos japoneses, sendo este um dos grupos mais numerosos. Dentro dessa onda de imigrantes japoneses, estava o grande judoca Mitsuyo Maeda, que mudou-se para o Brasil para uma missão diplomática. Koma, que era aluno direto de Kano na escola Kodokan, se estabeleceu na cidade de Belém, no Estado do Pará, e começou a ensinar judô a várias pessoas, incluindo Carlos Gracie. Depois de um tempo, Carlos tornou-se independente e abriu seu próprio dojo, mudando-se depois para o Rio de Janeiro. Ali ele começa a experimentar e desenvolver novas técnicas a partir do conhecimento adquirido com Maeda e com a ajuda de seu irmão mais novo, Helio Gracie, desenvolvendo assim uma nova arte marcial conhecida como Gracie Jiu Jitsu e mais tarde como Brazilian Jiu Jitsu.

Count Koma & Helio Gracie

Portanto, vimos que o jiu-jitsu brasileiro vem do judô e é lógico que eles tenham coisas em comum, mas em quê são diferentes? Vejamos o que pensamos ser as 3 principais diferenças

1. Diferenças na metodologia: praticar mais em pé ou no chão
A principal diferença que podemos dizer é a metodologia do treinamento: em ambas as artes existem duas formas de combate, que no judô são chamadas de Tachi-waza (luta em pé) e Ne-waza (luta no chão).

O judô sempre colocou mais ênfase na prática de Tachi-waza. O Ne-waza também é treinado, mas eles sempre dão prioridade à luta de pé.

No jiu-jitsu brasileiro, acontece exatamente o contrário: lutar no chão ou no ne-waza é muito mais desenvolvido do que lutar de pé. Os praticantes brasileiros de jiu-jitsu afirmam que há uma melhor chance de derrotar um adversário com o mínimo esforço enquanto estiver no chão do que de pé.

Por esse motivo, o número de técnicas de luta no solo do jiu-jitsu brasileiro é muito maior que o do judô e com muito menos restrições.

Por sua parte, e como o judô se concentra mais no combate de pé, há um grande número de estratégias, combinações típicas desse desporto que são desenvolvidas em tachi-waza e que os praticantes de jiu-jitsu geralmente não dominam da mesma maneira que os bons judocas.

Embora um competidor brasileiro de jiu jitsu possa facilmente participar e até ter sucesso em um torneio de judô (como é o caso de Rigan Machado ou BJ Penn), um judoca também pode competir em um torneio brasileiro de jiu jitsu. Qualquer um deles simplesmente terá que se adaptar às regras do torneio.

2. Diferenças no regulamento da competição
Regulamentos do judô
O judô foi oficialmente incorporado aos Jogos Olímpicos em 1964 e desde então e até agora os regulamentos variaram consideravelmente, mas as regras básicas que não foram alteradas. Pode-se vencer um combate de judô de várias maneiras:

  • projetar o seu oponente (levando-o ao chão com uma técnica) e que ele caia de costas no tatame. Isso é chamado de ponto completo ou Ippon e é uma vitória direta e termina a luta. Se, quando cai, apenas toca metade das costas no tatami, é um Waza-ari e conta como metade de um Ippon. Se dois waza-ari são alcançados, o combate é ganho.

  • imobilizá-lo no chão e limitar o movimento do oponente por 20 segundos também é considerado ippon. Se ele estiver imobilizado por 10 segundos e o oponente escapar, a ação será contada como waza-ari.

  • obter uma alavanca ou "estrangulamento" no chão ou Ne-waza e forçar o oponente a render-se também é considerado um ippon.


Apesar de ser capaz de obter uma vitória através de deslocamentos ou estrangulamentos da luta no chão, como também seria o caso de um torneio brasileiro de jiu jitsu, o judô se concentra mais em luta em pé ou em tachi-waza e quando os lutadores vão ao chão, eles devem executar as ações muito rapidamente ou o árbitro os colocará de pé novamente

Judo fight in a competition

Regulamentos do Jiu Jitsu Brasileiro
O jiu-jitsu brasileiro tem uma história competitiva muito menor do que o judô. O judô  é uma disciplina olímpica e o jiu-jitsu não.

O livro de regras do Jiu-Jitsu é bem diferente: Pontos são ganhos por derrubar o oponente ou posições de controle de solo mantidas por pelo menos 3 segundos.

O combate pode ser terminado diretamente com um "finalização" que é simplesmente uma técnica de deslocamento ou estrangulamento para o oponente, para que ele seja forçado a se render. Existem deslocamentos permitidos nas articulações que não estão no judô, por exemplo, nos tornozelos e também outros tipos de técnicas que não são permitidas no judô, mas no jiu-jitsu são estrangulados diretamente com os braços sem o uso do kimono. Não é possível vencer uma partida de Jiu-Jitsu como no Judô simplesmente fazendo uma projeção e o oponente claramente caindo de costas para o chão.

Caso a partida termine sem que nenhum dos dois oponentes tenha atingido uma finalização, o competidor com o maior número de pontos acumulados vencerá. O sistema de pontos é normalmente resumido da seguinte forma:

  • 2 pontos: são alcançados projetando o oponente, por raspados (giros ou inversoes de posição no chão) ou mantendo a posição técnica do joelho na barriga.

  • 3 pontos: por ultrapassar a guarda do adversário.

  • 4 pontos: por levar as costas do oponente no chão e também para alcançar a posição de montadura

Para praticar algumas dessas duas artes marciais ou competir no judô ou no jiu-jitsu brasileiro, é preciso ter muito cuidado com os regulamentos. É necessário mudar sua estratégia de luta, porque, se não for claro sobre as regras, poderá acabar sendo desqualificado ou perder pontos.

BJJ fight in a competition

3. Diferença nas vestimentas

O judô e o jiu-jitsu brasileiro usam o popular kimono japonês de artes marciais, composto por três peças: jaqueta, calças e cinto.

Os kimonos de Jiu-Jitsu e Judô (também chamados Judogis) são feitos de algodão. No judô, são usadas duas cores: branco e azul, geralmente não têm grandes manchas e  mal consegue-se ver o logotipo da marca, que deve estar de uma maneira muito oculta. Entre as marcas judogis mais reconhecidas, podemos destacar a Adidas ou a Mizuno, com excelentes modelos como o Mizuno Yusho IJF 2015  ou oAdidas Judogi Competición Slim 2018 que podes encontrar, é claro, em nossa loja online.

Os kimonos de jiu-jitsu brasileiro são visualmente muito semelhantes aos kimonos de judô, mas a principal diferença é que os kimonos de Jiu-Jitsu tendem a ter uma variedade muito maior de designs e é fácil ver kimonos com muitos patches ou áreas e costuras de cores diferentes daquela do tecido e até existem modelos com forros internos coloridos.

Outra diferença que não é tão perceptível visualmente, mas é importante notar que os kimonos de jiu jitsu brasileiro tendem a ser um pouco mais apertados que os quimonos de judô.

Além das cores básicas, branco e azul no judô, o preto é adicionado. E sem a possibilidade de usá-los para a competição, mas sim para o treinamento, há outras cores muito mais impressionantes, como azul marinho, vermelho, verde militar ou até camuflagem, mas tenha cuidado! Existem professores que não gostam de um aluno usando cores excessivamente impressionantes.

Como dizemos, a principal diferença visual, além da cor, são os patches, que no kimono brasileiro de jiu jitsu tendem a ser maiores e mais marcantes. Alguns exemplos disso você pode ver em Storm Stealth Bolo ou Fuji All Around Camo 

Black BJJ Gi


Li e aceito os Termos e condições de utilizaçaõ deste sítio: